11 maneiras de proteger a sua filha da Barbie

por Justin Holcomb

Justin Holcomb
Justin Holcomb

A cultura popular americana possui uma rica diversidade de ícones, como a maçã da Apple, o rato da Disney, os arcos do McDonald’s, a logo na Nike e a Barbie, “o ícone, a imagem, o ideal”.

“Poder feminino”

O fabricante e comerciante da Barbie, a Mattel, anuncia a boneca como um símbolo de “poder feminino” mostrando que a Barbie pode ir à faculdade, explorar o universo como uma astronauta, experimentar a emoção da maternidade e governar o país como Presidente. Mas, a Barbie traz algumas profundas consequências.

“A Barbie é pequena e tão delicada. Suas roupas e sua imagem tão elegantes… Algum dia eu serei exatamente como você. Até lá eu sei o que irei fazer. Vou fingir que sou você.” Surpreendentemente, essas palavras pertencem ao primeiro jingle comercial da Barbie, quando ela fez a sua estréia no dia 9 de março de 1959.

Não coma?

Se o corpo da Barbie de 30 cm fosse convertido para as proporções em tamanho real, considerando as proporções originais, ela teria 1,75 metros de altura, cerca de 91,4 cm de busto, 45 cm de cintura e 84 cm de quadril. Ela calçaria 34. Críticos argumentam que isso incentiva as jovens a almejar uma forma corporal irreal e doentia.

Em 1965, a Barbie “Festa do Pijama” veio com um livro intitulando “Como perder peso”, que aconselhava a “não comer”. A boneca também veio com uma balança rosa de banheiro onde se lia 50 kg. Isso seria, no mínimo, 15 kg abaixo do peso para uma mulher da altura dela.

Um instrumento de humilhação

A figura excessiva da Barbie condiciona as garotas a terem uma percepção equivocada de um corpo feminino perfeito. A constante divulgação desses objetivos perfeitos para as nossas garotinhas, por meio da Barbie e modas de outros produtos de cultura popular, traz suas tentativas de semelhança com um protótipo impossível. Talvez seja por isso que 80% das garotas de 10 anos já fazem dieta para controlar o peso.

Ao invés de ser um ícone saudável, a Barbie se destaca como um instrumento de humilhação na vida de garotinhas. Elas se sentem fracassadas quando olham para a Barbie e não podem estar à sua altura. Isso é o contrário do que qualquer pai quer para a sua garotinha.

O ponto

Mas esculhambar a Barbie não é o ponto. E não estamos defendendo militantemente uma campanha anti-Barbie. A maioria das garotinhas que brincam com Barbies vão crescer e isso não vai destruir a sua vida adulta. Mas as ideias podem ser sutis. E elas podem ter consequências. E a ideia por trás da Barbie é só um exemplo de muitas coisas que podem atacar a identidade e a auto-imagem de uma garota.

[tweet link=”http://iprodigo.com/?p=5433″]A ideia por trás da Barbie é só um exemplo de muitas coisas que podem atacar a identidade e a auto-imagem de uma garota.[/tweet]

Meu objetivo é direcionar sua atenção para a necessidade desesperada da a aplicação do evangelho para as jovens garotas em nossas vidas. Essa questão de identidade é uma parte significativa da própria imagem distorcida que a nossa cultura dá às garotas. A força cultural e as campanhas publicitárias pregam uma cruel e prejudicial mensagem da imagem e identidade para as garotas.

Demonstrando Amor

Por mais altas e dominantes que essas vozes podem ser, os pais podem ter uma voz mais alta. Nós possuímos a oportunidade de demonstrar nosso amor e dedicação para com as meninas que Deus colocou em nossas vidas. Mas como é que se faz isso? Aqui estão as 11 coisas que os pais podem fazer para demonstrar seu amor:

  1. Pais, não subestimem a sua influência sobre a sua filha. Fale para elas que são bonitas antes que a cultura as convença do contrário.
  2. Mães, estejam atentas para qualquer tipo de distorção na sua auto-imagem porque sua filha aprende muito sobre o que achar do corpo dela com você.
  3. Proteja-as tanto quanto for possível da exposição de conteúdos que são nocivos.
  4. Aprenda sobre a mídia e a cultura popular na vida de seus filhos.
  5. Vá além da abordagem “Apenas diga não” da cultura.
  6. Ter conversas apropriadas para a idade é uma parte essencial do seu relacionamento com a sua filha.
  7. Incentive seus filhos a usar a arte, brincar e escrever para processar as imagens e outras mensagens da mídia que eles recebem.
  8. Oponha-se às limitações de estereótipo de garotos e garotas que são dominantes na mídia e na cultura comercial.
  9. Compartilhe os seus valores e preocupações com os outros adultos – seus amigos, parentes e pais dos amigos de seus filhos.
  10. Ajude-as a aprender como interpretar e absorver o que eles vêem e lêem na cultura.
  11. Ame-as incondicionalmente. Veja-as como um presente.

Filhas de Deus

As meninas confiadas a nós por Deus precisam ouvir que, por meio da fé em Cristo, elas se tornam parte da família de Deus. A elas é dada a mais maravilhosa identidade: filha de Deus (1 João 3.1-2). Deus as adota e as aceita porque as ama. Elas não fazem e nem podem fazer nada para merecer o amor dEle. Ele as amou mesmo quando, e especialmente quando, elas eram inamáveis e se sentiam inamáveis.

Traduzido por Marianna Brandão | iPródigo.com | Original aqui

Tags: , ,

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.