4 incômodos de uma igreja saudável

por Clint Archer

Em muitas cidades do mundo Ocidental, escolher uma igreja pode se assemelhar a comprar roupas da temporada passada “com pequenos defeitos”. Você sabe que precisa se vestir, mas cada item que experimenta tem uma mancha, marca ou furo que te chama a atenção. Você simplesmente se conforma com aquela que tem a falha mais aceitável. Por favor, não confunda franqueza com cinismo. Eu amei todas as três igrejas locais das quais já fui membro, mas não me surpreendi quando descobria as imperfeições inevitáveis de cada uma.

Mas o que precisamos entender é que alguns incômodos inerentes a uma igreja local saudável NÃO SÃO imperfeições, mas um atributo necessário à fidelidade. Em alguns remédios, são os ingredientes ativos que fazem o gosto ficar amargo. Aqui estão quatro pílulas amargas que você pode querer evitar engolir, mas deveriam ser vistas como sinais de que você encontrou uma boa igreja local. De fato, se todos esses quatro “incômodos” estiverem ausentes, pode ser um indicativo de que você encontrou uma igreja perigosamente inapta.

Igrejas saudáveis tendem a…

1. Diminuir a importância de suas preferências pessoais.

Não estou dizendo que uma igreja saudável é uma cuja liderança se recusa a ouvir sua opinião. Mas, se depois de consideração cuidadosa, os líderes da igreja decidem não acatar as preferências que você sugere que não são mandamentos da Escritura, você deve agradecê-los e decidir se comprometer. Uma igreja que se dobra aos gostos e modas que atraem pessoas é uma igreja que perdeu seu compromisso com o mandato bíblico: agradar a Deus, não os homens.  Quando pessoas são favorecidas pelo trabalho da igreja, isso é um bônus incidental; não é o propósito da liderança buscar a sua aprovação.

Algumas opiniões que você deve esperar que os líderes ignorem incluem:

  • Sua preferência por rap (Deus te deu um iPod para que você possa ouvir Lecrae no caminho para a igreja e de volta, mas no banco da igreja você deve agradar a Deus e amar o próximo).
  • Sua sugestão para aumentar/diminuir a quantidade de humor/histórias/gritos/aplicações no sermão (Deus capacita os pregadores de formas diferentes, e se o pregador está dando o seu melhor em ser fiel à palavra, isso deveria ser o suficiente para você; não tente ajustar a pregação para coçar justamente aquela parte do seu ouvido que coça).
  • Sua preferência em papéis de parede ou cor de estofado das cadeiras/bancos
  • Seu pedido por um filtro de café melhor para substituir aquela porcaria que é servida (talvez lhe seja espantoso que algumas igrejas preferem gastar mais dinheiro em missões do que em cappuccino, mas você precisa entender que seus presbíteros prestarão contas diante de Deus).

2. Pregar sermões que frequentemente te deixam desconfortável.

Eu sei como é quando parece que o pregador revirou minha lixeira ou me ouviu falando dormindo e agora está pregando um sermão apenas sobre as minhas lutas, medos e tentações pessoais. Eu sei como é se remexer no banco por 45 minutos enquanto o pastor manda raios acusativos em minha direção como um médico testando um novo desfibrilador.

Mas a solução não é deixar a igreja e encontrar um lugar que apenas tenta te fazer se sentir confortável e quentinho. (Nota de rodapé: se um púlpito não possui qualquer encorajamento, isso é um sinal amarelo sim, mas mesmo sermões encorajantes podem ter momentos de acusação e reconhecimento de pecado também).

3. Insistir em membresia formal antes que você possa servir.

Algumas pessoas se inflamam quando se oferecem para servir da mesa de som ou tocar algum instrumento e são informados gentilmente que primeiro precisam participar da classe de novos membros. Isso pode parecer ofensivo para um crente imaturo, mas uma igreja que te permite servir (especialmente em um ministério público, como de cantar lá na frente) sem primeiro se dar ao trabalho de te perguntar se você é um cristão, batizado e basicamente em acordo com o que é ensinado é uma igreja que está brincando com uma enorme responsabilidade.

Em Hebreus 13.17 somos lembrados que os líderes da igreja irão prestar contas pelas almas sob seu cuidado. É razoável que esses líderes implementem um processo formal que sirva para discernir se as pessoas que estão chegando à igreja são crentes que se comprometem a comparecer, ofertar, servir e se submeter. Pode ser uma pílula amarga para ser ingerida para alguns, mas membresia formal é essencial para proteger a saúde do corpo da igreja.

4. Estarem dispostas a pedir para você sair.

Em Mateus 18.15-20 Jesus ensinou o processo da paciente e amável, mas firme, disciplina eclesiástica. A disciplina, quando feita por motivos amorosos de restauração de um pecador arrependido, é um sinal de uma igreja disposta a fazer o duro trabalho de guardar sua própria pureza da infecção do pecado impenitente (Ver também Tito 3.11 e 1 Coríntios 5 para algumas aplicações bem duras dessa instrução).

Uma das primeiras questões que você deve fazer à liderança de uma igreja que você está pensando se filiar é o que eles faria se você fosse pego em pecado. Se eles pularem para o final sem a parte amável e paciente… sim, isso é um sinal amarelo de falta de graça. Mas se a igreja não considera o último passo, mesmo desafiando claramente o pecado impenitente, isso é um sinal vermelho eliminatório.

Eu não estou dizendo que todas as boas igrejas deixam um gosto amargo constante na sua boca. Mas se você acha que essas atitudes são amargas demais para engolir, talvez seja hora de refletir se você está procurando uma igreja bíblica e saudável que agrada Jesus ou se está buscando um clube social focado em manter a clientela confortável.

Tags: , , ,

Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.