Como ser um vegetariano piedoso

por Clint Archer

Clint Archer
Clint Archer

Vegetarianos, não se animem; eu não sou da tribo de vocês. Vocês não encontrarão em mim um advogado para a causa herbívora. Sou carnívoro de carteirinha e amo carne de todos os tipos e sabores. Mas também não sou da opinião que abstinência de carne é algo vergonhoso ou embaraçoso. Não sou preconceituoso.

Eu respeito e até admiro o seu estilo de vida. Mas é uma questão complicada. Sua decisão pode ser prejudicial para o seu crescimento e desenvolvimento espiritual, se você não tomar cuidado.

4 Péssimas razões para ser um vegetariano

1. Adão e Eva não comiam carne

É verdade que nossos pais foram os primeiros vegetarianos. Mas, também, eles foram os primeiros nudistas. Até onde vamos levar esses argumentos?

A razão pela qual Adão e Eva não comiam carne é porque, antes da Queda, não havia as consequências dela e, assim, não havia morte. É extremamente complicado fazer uma vaca ainda viva permanecer parada por tempo o suficiente em cima de uma fogueira para ser possível tirar uma porção para dois de suas costelas.

Mas humanos comerem animais não é pecado, contanto que você cozinhe direito! Sabemos disso porque Deus explicitamente o permite, em zilhões de textos, entre eles Deuteronômio 12.15-16:

No entanto, vocês poderão abater os seus animais em qualquer das suas cidades e comer quanta carne desejarem, como se fosse carne de gazela ou de veado, de acordo com a bênção que o Senhor, o seu Deus, lhes der. Tanto quem estiver cerimonialmente impuro quanto quem estiver puro poderá comê-la. Mas não poderão comer o sangue; derramem-no no chão como se fosse água.

Jesus também não vivia de frutas. Ele certamente comeu do banquete da páscoa (Lucas 22.8), peixe no café da manhã (João 21.13), e Deus disse a Pedro para se levantar, matar e comer um monte de animais considerados impuros (Atos 10.13).

2. Comer carne não é espiritual nem piedoso

Não. E se você diz isso, você que não é piedoso. Não estou usando o argumento “eu não, você que é”; 1 Timóteo 4.1-5 diz que qualquer um que proíbe o aproveitar dos bons presentes de Deus está ensinando “doutrinas dos demônios”. Ai.

Eu sempre desconfiei que dieta fosse coisa do demônio, e agora descobri o porquê. Por que me abster, se aproveitar pode me fazer mais santo?

[…] e proíbem o casamento e o consumo de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ação de graças pelos que crêem e conhecem a verdade. Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração. (1 Timóteo 4.3-5)

3. Matar animais é errado

Tecnicamente, essa objeção permitiria a um comedor de carne se satisfazer com animais que morram de causas naturais, como uma vaca doente ou um carneiro geriátrico. Talvez até um atropelamento acidental. Mas o que é mais comumente comunicado com isso é que os animais precisam ser tratados da mesma maneira que os seres humanos.

Nesse tipo de propaganda agrícola, talvez você ouça essa objeção da seguinte forma: “matar animais é errado”. Mas Gênesis 9.5-6 nos dá uma perspectiva bíblica. Pessoas são diferentes dos animais porque foram feitas à imagem de Deus. Se um boi ataca um homem, ele deve ser sacrificado (Êxodo 21.28). Mas se um homem mata um boi, ele só precisa pagar uma taxa pelo prejuízo causado ao dono do boi pela ausência dele (Êxodo 21.33-34).

4. Comer carne faz mal para a saúde

Não, comer carne é ruim para algumas pessoas, e normalmente faz bem para a maioria, se bem preparada, ingerida nas proporções corretas e como parte de uma dieta balanceada (por exemplo, não retire o picles e o alface do seu Big Mac).

Qualquer coisa faz mal em excesso. Compulsão por qualquer coisa é pecado. Sim, grande parte das carnes que compramos hoje em dia são, basicamente, bifes de anabolizantes com sabor de carne. Mas não precisa se chamar de vegetariano, diga apenas que você só come carne saudável, galinhas criadas soltas ou qualquer coisa que não se vingará de você quando estiver em seu estômago. Isso não é fanatismo, é apenas senso comum.

(Observação: Se faz mal para você, pessoalmente, então essa é uma ótima razão para se abster. Mas não advogue que os outros cuidem de seus corpos da mesma maneira que você cuida do seu)

1 Razão aceitável para ser um vegetariano

Preferência

Se você prefere comer algo que nunca tenha sido a mãe de outro ser vivo, tudo bem. Se você acha que boicotar atum vai salvar os golfinhos, ótimo. Se o simples pensamento de um matadouro faz seu estômago revirar, junte-se ao clube. Você pode escolher lutar contra tudo isso pelo bem de um hamburger com bacon, mas se a recompensa não vale a pena pra você, tudo bem, coma plantas e fungos.

Mas lembre-se…

Não menospreze as pessoas que tem gostos menos conscientes. Assim que você tratar sua opção como motivo para se sentir superior a outros, você cruzou a linha.

Se abstinência de carne é causa tropeço para alguém (como missionários muitas vezes descobrem), então você precisa abrir mão da sua preferência pelo bem do evangelho, assim como você faria com qualquer outra preferência alimentícia (Romanos 14.20)

Assim, se o seu anfitrião gastou duas horas assando um coelho para honrar a sua visita – como já aconteceu comigo na Argentina – tire o cavalo da chuva e coma (o coelho, não o cavalo).

Não quero contar vantagem, mas estou saindo, vou comer bacon e ovos no café da manhã, apesar de que ouvi que bacon vegetariano é tão bom quanto (… só que ao contrário). Como um amigo meu, caçador, costuma dizer, “Olha, se Deus não quisesse que comêssemos animais, por que Ele os criou feitos de carne?!”

Tags: ,

Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.