Dez perguntas para diagnosticar seu casamento

por Kevin DeYoung

Recentemente, conversei com um amigo meu que sugeriu que a risada é geralmente um bom indicador de quão bem o casamento está indo. Quando as brincadeiras diminuem, pode ser porque você está num momento de sofrimento, mas também pode significar que vocês saíram da fase de paz e confiança. O casal que ri unido permanece unido.

Essa ideia me deixou pensando: quais são algumas outras perguntas que podem ajudar a diagnosticar nossa vida conjugal? Aqui estão dez que podem ser úteis.

  1. Vocês oram juntos? Essa pode ser a mais difícil, então coloco em primeiro. Embora eu conheça bons casamentos em que o marido e a esposa não oram juntos tanto quanto gostariam, não conheço qualquer casamento ruim em que o marido e a esposa oram juntos o tempo todo.
  2. Vocês ainda notam um ao outro? Eu não me lembro muito do filme Dave – Presidente por Um Dia (um filme dos anos 90 em que um sósia ocupa a vaga de um presidente falecido), mas eu me lembro de uma cena em que o presidente substituto (papel de Kevin Kline) é pego olhando para a s pernas de sua “esposa” (Sigourney Weaver). Mais tarde, revela-se que ela sabia desde o começo que aquele homem não era o marido verdadeiro porque o verdadeiro (que morreu tendo um caso) não tinha olhado para as pernas dela por anos. Tudo bem, não é um filme excelente, mas não é uma lição ruim. Há alguma chance de que alguém poderia pegar você notando seu cônjuge como atraente?
  3. Vocês dão as mãos? No cinema? No sofá? Caminhando pelo bairro? Durante a oração na igreja? No carro? Todos nós amamos ver casais de idosos de mãos dadas. Quando criança, sempre me fazia sentir-se bem ver meu pai pegar na mão da minha enquanto ele dirigia (sim, às vezes, era perigoso). Se esse simples ato de afeto está em falta, mais do que você percebe pode estar faltando. [N.do.T.: Lembrando que, nos EUA, a maioria dos carros usam marcha automática, o que facilita uma mão livre no volante. No Brasil, isso é ainda mais perigoso – então, cuidado! :) ]
  4. Quando foi a última vez que você disse “Me desculpe”? Não como uma desculpa. Não com um resmungo. Mas, um pedido de perdão sincero, tenro e contrito.
  5. Quando foi a última vez que você disse “Obrigado”? Eu não estou falando de educação ao passar o sal. Estou falando sobre uma expressão específica de gratidão por lavar a louça, por deixar dormir mais um pouco, pelo trabalho duro de sustentar a família, por cuidar dos filhos o dia todo ou por fazer seu prato preferido.
  6. Quando foi a última vez que você planejou uma surpresa? Semanas atrás, eu dei flores à minha esposa sem nenhum motivo especial. Apenas pareceu que já tinha muito tempo desde a última vez que me esforcei para dar algo especial. Vocês ainda surpreendem o outro com presentes, saídas especiais, com um beijo do nada, voltar mais cedo pra casa (ou esperar acordado até tarde)?
  7. Quando foi a última vez que vocês fizeram seus filhos ficarem constrangidos? As crianças deveriam revirar os olhos de tempo em tempo ao ver quão bobos mamãe e papai podem ser. Eles deveriam ver vocês dançando, beijando, agindo como bobos. As crianças odeiam, mas no fundo, elas provavelmente amam também. Filhos precisam ver seus pais se divertindo muito juntos.
  8. Quando foi a última vez que vocês saíram e falaram sobre algo além dos filhos? Vocês não precisam gastar dinheiro. Vocês podem dar uma caminhada ou não pedir refrigerante aonde vocês forem. Apenas deixe os filhos um pouco e tente não fixar a atenção neles quando eles não estão presentes.
  9. O que outros pensariam sobre seu cônjuge apenas ouvindo vocês falarem sobre ele ou ela? Todos nós temos ocasiões em que falamos sobre nosso cônjuge a outros – em um pequeno grupo, numa reunião de oração, com outro amigo, com um parente, com o pastor. Se alguém pudesse ouvir tudo que você disse sobre seu marido ou sua esposa em um mês e, então, se encontrassem com seu cônjuge pela primeira vez, eles ficaram surpresos com a pessoa que eles encontraram? Pelas suas conversas, os outros adivinhariam que seu cônjuge é um sapo, e não um príncipe, ou a rainha das harpias?
  10. Vocês pensam mais sobre o que vocês não estão dando ou sobre o que não estão recebendo? Todos nós nos magoamos no casamento. Todos nós ficamos decepcionados. Fique com alguém até a morte e você se sentirá injustiçado uma vez ou outra. Mas, quando você pensa sobre o que precisa de ajuda em seu casamento, você está preocupado com as deficiências do seu cônjuge ou aquilo que você precisa melhorar? Amar como Cristo é comprometer-se a amar mesmo quando não somos amados como merecemos.

Tags: ,

Traduzido por Josaías Jr | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.