Entendendo a relação Criador-criatura

Justin Taylor

Muitos erros na teologia ocorrem por conta da ideia implícita que Deus deve ser como nós de algum jeito.

(Nota: Depois de postar isso, eu li a resposta de Albert Mohler a Brian McLaren, e Mohler acertadamente mostra como McLaren exemplifica esse tipo de erro)

Em 2003, eu li o trecho que se segue de Ardel Canedey, e essa leitura me ajudou a ver a importância de entender a relação Criador-Criatura na ordem correta. Vale a pena ler isto bem devagar para que se entenda a importância de cada ponto:

A nossa compreensão de Deus e da relação com Deus só pode ser feita porque deriva do fato que Deus fez o homem a sua imagem.

A impressão da imagem de Deus é orgânica.

A analogia Criador-criatura fornece cinco comparações principais na relação que nós temos com Deus:

(1)Rei e subordinado;

(2)Juiz e defesa/litigante;

(3)Esposo e esposa;

(4)Pai e filho, e

(5)Senhor e escravo

Deus, que nos fez como criaturas a sua própria imagem, tem prazer em se revelar a nós mantendo o adorno divino com o qual Ele nos faz ver algumas coisas.

Aqui está a essência do antropomorfismo: Deus se revela a nós em termos humanos, mas mesmo assim não devemos comparar Deus como se nós fossemos o ponto de referência final. Deus imprimiu sua imagem organicamente em nós para que nosso relacionamento uns com os outros reflitam o relacionamento dEle conosco.

Nós não conhecemos Deus como criador ex nihilo1 simplesmente porque nós nos vemos como criativos e então o imaginamos como um maior e melhor criador. Ao invés disso, o homem cria porque é imagem de Deus. Deus é o original; nós somos a imagem orgânica, a cópia viva.

Não falamos com justiça sobre Deus como Rei quando projetamos nele o imaginário popular, já que se encaixa no que pensamos sobre Deus. Mas nos prostrarmos perante Deus, que tem todo o domínio, é apropriado porque o homem, como regente sobre a criação, é a imagem do reinado de Deus. Deus, o Rei verdadeiro, é a realidade que projeta a imagem da regência humana.

Não é como se Deus olhasse ao redor na criação e visse a união matrimonial entre homem e mulher como sendo o padrão perfeito para seu relacionamento com o ser humano. “Homem e mulher Ele os criou” para que eles “se tornem uma só carne” (Gn 2.24). A união de marido e esposa é a imagem terrena ou a cópia da união celestial de Deus, o verdadeiro marido, com seu povo, sua esposa. Paulo entendia o casamento como em Gênesis 2.24, pois ele cita a passagem e a explica: “Este é um mistério profundo; refiro-me, porém, a Cristo e à igreja.”

1. Ex nihilo: Que surge do nada ou do vazio

—A. B. Caneday, “Veiled Glory: God’s Self-Revelation in Human Likeness—A Biblical Theology of God’s Anthropomorphic Self-Disclosure,” in Beyond the Bounds, ed. Piper, Taylor, and Helseth (Crossway, 2003), p. 163;

Tradução: Rafael Bello| iprodigo.com| original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.