O que fez de Davi um grande homem

por Kevin DeYoung

Kevin DeYoung
Kevin DeYoung

Todos que conhecem a Bíblia sabem que o Rei Davi foi um grande homem.

Ainda assim, qualquer pessoa com alguma familiaridade com a Bíblia também reconhece que Davi fez algumas coisas não tão boas. Rapidamente nos lembramos do pecado com Bate-Seba, o assassinato do marido dela, Urias, e a mentira para encobrir tudo. Isso não tem nada de deleite na lei do Senhor (Salmo 1.2). Mas também houve o censo mal intencionado, motivado pelo orgulho de Davi, além das inúmeras situações em que ele falhou como pai de família. Para alguém conhecido como “segundo o coração de Deus” (Atos 13.22), Davi parecia ir bastante segundo o próprio coração.

Com todas essas falhas, o que fez de Davi um grande homem? Alguém poderia mencionar a coragem, a lealdade, a fé, o sucesso como líder, músico e guerreiro. Mas ele foi grande de outras formas não tão conhecidas. Em particular, Davi foi um grande homem porque estava sempre disposta a perdoar o pecado dos outros, mas a encarar a realidade do próprio pecado.

Davi era um homem gracioso, relevando as falhas dos outros, sempre pronto a dar uma segunda chance aos seus inimigos. Duas vezes, enquanto seus amigos lhe aconselhavam a destruir seu inimigo, Davi poupou a vida de Saul (1 Samuel 24; 26). Apesar de Saul se opor a ele sempre que podia, Davi não se alegrou em sua morte, mas chorou pelo rei e seu filho Jônatas (2 Samuel 1.17-27). Davi recebeu Abner, que havia desertado do rei Is-Bosete, e se entristeceu quando o desconfiado Joabe o matou (2 Samuel 3). Davi sempre foi muito bom, até desnecessariamente, com Mefibosete (2 Samuel 9), e incrivelmente paciente com os xingamentos de Simei (2 Samuel 16). Mais tarde, Davi perdoaria aqueles que se rebelaram contra ele durante a insurreição de Absalão (2 Samuel 19.16-23). Por muitas vezes Davi se mostrou muito diferente dos filhos de Zeruia, que viviam com rancor e atrás de vinganças. Davi sabia perdoar. Mais do que qualquer um antes de Jesus, Davi amava seus inimigos. Como nenhum outro rei do Antigo Testamento, Davi estava sempre disposto a receber rebeldes de volta e perdoar aqueles que se opunham a ele.

Por outro lado, a atitude bondosa de Davi como seus inimigos não significava uma atitude bondosa com seus próprios pecados. Normalmente, as pessoas que são mais bondosas com os outros são mais bondosas consigo mesmas, e aquelas mais exigentes consigo mesmas são mais exigentes com as outras. Davi era diferente. Ele era gracioso com os outros e honesto consigo. Acredito que a grandeza de Davi era simplesmente isso: por mais que ele pecasse, ele nunca deixou de admitir. Eu não encontro uma única passagem em que Davi foi exortado corretamente por suas falhas e ele tenha deixado de aceitar essa exortação. Quando Natã confronta Davi pelo adultério e assassinato, Davi, após entender as intenções de Natã, rapidamente se lamenta: “Pequei contra o Senhor” (2 Samuel 12.13). Quando Joabe envia a mulher de Tecoa para fazer Davi mudar de idéia sobre Absalão, ele ouve. Quando Joabe exorta Davi por amar mais o filho traidor do que seus servos leais, ele faz o que Joabe lhe fala (2 Samuel 19.1-8). Joabe muitas vezes estava enganado em seus conselhos a Davi, mas quando ele estava certo, Davi sabia, e corrigia seu rumo. Assim, após o tão criticado recenseamento, o coração de Davi lhe alertou, e ele confessou: “Pequei gravemente com o que fiz!” (2 Samuel 24.10).

Davi sabia perdoar, e sabia se arrepender também. Ele nunca culpava os outros por seus erros. Ele não inventava desculpas baseadas no histórico familiar, pressão do grupo ou as pressões por ser um líder. Ele não usava eufemismos, se referindo ao seu pecado como uma disfunção ou uma falha de caráter. Ele não se lamentava pelos pecados simplesmente por causa dos efeitos negativos que trariam para o seu reino e seus relacionamentos. Ele via suas transgressões primariamente em sua dimensão vertical, como uma ofensa ao Deus todo poderoso (Salmo 51.4). Ele nunca fugiu da luz quando ela revelava sua escuridão. Ao invés disso, ele admitia sua iniquidade e trabalhava para consertar as coisas. Quando pensamos no quanto isso é raro em nossos dias, que os atletas, atores de filmes e políticos simplesmente aceitem a responsabilidade de seus pecados públicos, todos nós deveríamos nos espantar que o Rei de Israel, talvez o homem mais famoso da história do povo de Deus da antiga aliança, era humilde o suficiente para ouvir as críticas daqueles que estavam abaixo dele e mudar de atitude.

[tweet link=”http://iprodigo.com/?p=4284″]Davi era um homem segundo o coração de Deus porque odiava o pecado mas amava perdoá-lo.[/tweet]

Davi era um homem segundo o coração de Deus porque odiava o pecado mas amava perdoá-lo. Que melhor exemplo do caráter de Deus que esse? Deus não simplesmente recebe seus inimigos, mas morre por eles (Romanos 5.6-11). Está sempre disposto a mostrar misericórdia e dar uma segunda chance aos traidores. Ainda assim, Deus não é bondoso com o pecado. Ele o expõe e nos leva a exterminá-lo (João 16.8-11; Colossenses 3.5). Mas é claro, Deus, diferente de Davi, nunca é culpado de pecado. Deus  mostra sua condencendência não ao se humilhar perante uma exortação, mas ao se humilhar tomando a forma humana e morrendo na cruz (Filipenses 2.5-8). Davi era grande, mas nem de perto tão grande quando o Grande Filho de Davi.

Traduzido por Filipe Schulz | iPródigo.com | Original aqui

Tags: , , , , ,

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.