O uso e abuso da transmissão do culto

por Rick Phillips

De todo o coração renderei graças ao SENHOR, na companhia dos justos e na assembleia (Salmos 111.1).

Uma das áreas mais populares do site da minha igreja é o link para a transmissão ao vivo que conecta as pessoas ao culto de Domingo enquanto ele está acontecendo. Somos agraciados por podermos possibilitar isso, especialmente para nossos membros que estão doentes em casa, que precisam ficar em casa com seus filhos adoecidos ou que estão em situações similares.

Recentemente, fiquei sabendo até de um membro da igreja que conseguiu assistir ao culto em seu smart phone enquanto estava preso em casa graças a uma falta de luz. Uma quantidade surpreendente de pessoas assiste aos nossos cultos pela internet e nós esperamos que isso esteja abençoando a todos. Ficamos principalmente felizes se não-cristãos conseguem ouvir a voz de Deus e são encorajados a se juntarem conosco presencialmente a partir disso.

Mas mesmo com todas as bênçãos desse tipo de tecnologia, existem algumas limitações importantes para o uso da adoração por vídeo que os cristãos deveriam saber e que nos chamam a fazer um uso sábio desse recurso. De modo simples, nossa transmissão ao vivo é programada para aqueles que não podem vir à igreja e não como um substituto para aqueles que podem vir. Com isso em mente, apontarei algumas razões para o porquê devemos preferir ir aos cultos presencialmente e algumas sugestões para essa prática.

  1. Nossa presença física é essencial para a plena participação na adoração e na vida da igreja. Quando a bíblia ordena “Congregai-vos” (Hebreus 10.25), isso envolve tanto a nossa presença física quanto espiritual. Não estamos congregando na igreja se a igreja não pode nos ver! Jesus disse que estaria presente onde “estiverem dois ou três reunidos em meu nome” (Mateus 18.20). Sem dúvida, sua intenção tinha o sentido de uma presença física das pessoas com corações compartilhados. É por isso que não devemos nunca prover a participação em sacramentos através dessas transmissões via internet e é por isso que os presbíteros da igreja se reúnem presencialmente e não simplesmente através da internet (note que Mateus 18.20 se dá em uma passagem acerca da disciplina).
  2. Precisamos vir à igreja para podermos contribuir com nossos dons e graças a outros cristãos. O Senhor provê muitas coisas importantes através do encontro semanal da igreja. Por exemplo, os dons espirituais de cada membro são empregados nas mais diversas formas sendo cada uma delas essenciais. Paulo escreveu que “nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros” (Romanos 12.5). Ele acrescenta que nossos dons espirituais são dados a nós “visando a um fim proveitoso” (1 Coríntios 12.7). Por isso, seus companheiros cristãos precisam da sua presença: para servir, encorajar, escutar, apoiar, rir, abraçar e amar. Nos reunimos no Domingo como uma comunidade na igreja e isso requer comunhão! Então, enquanto a transmissão ao vivo é boa para casos excepcionais, ela não deve se tornar a norma para um cristão.
  3. Há uma dimensão autoritativa na pregação da Palavra de Deus que envolve estar sentado fisicamente sob a pregação do púlpito. É uma benção podermos ouvir a voz de Deus mesmo quando não podemos ir à igreja. Ainda assim, ouvir ao sermão fisicamente faz uma diferença significativa na maneira como Deus ministra a sua Palavra.

Deus ordenou que a bíblia fosse pregada por embaixadores e arautos vivos e a experiência de se estar integralmente sob um púlpito ministerial envolve estar fisicamente presente. A pregação é um evento vivo e comunal e o pregador precisa ver e interagir espiritualmente com a congregação, assim como a congregação precisa ver e interagir espiritualmente com o pregador. É uma benção poder ter boas pregações através de mecanismos eletrônicos e eu te encorajaria a se valer deles, mas nenhum deles é um substituto para se estar presente debaixo de uma ministério pessoal de seu próprio pastor junto de uma igreja no qual você é membro. É por isso que me oponho tanto às “igrejas satélites”, onde um vídeo de um pregador-celebridade é passado à congregação sem ele estar fisicamente presente. E é por isso que você precisa freqüentar as pregações de sua própria igreja, mesmo que pregadores melhores possam ser ouvidos pelo rádio ou pela internet. A pregação é uma parte importante da liderança espiritual de um pastor e estar sob essa pregação é uma boa forma de obediência. Hebreus 13.17: “ Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.”

4. Na adoração, precisamos dar toda a atenção para o Senhor, o que é difícil de acontecer quando não estamos fisicamente no santuário da igreja.  A experiência no templo é programada para atrair toda a nossa atenção para o Senhor e para a sua Palavra. Fora do templo, especialmente se estamos sozinhos, nós simplesmente estamos mais propensos a não nos entregarmos totalmente a Deus em nossa adoração. Isso se assemelha à minha preocupação quanto ao uso de tablets e smartphones no lugar de bíblias físicas. Não há nada de errado com uma versão eletrônica das escrituras, mas eu sei que meu próprio smartphone está repleto de distrações eletrônicas para que eu desvie minha atenção de Deus e de sua adoração. Há algo de errado em checar seu email e mensagens durante o sermão? Sim, há. O Salmo 111.1 diz: “De todo o coração renderei graças ao SENHOR, na companhia dos justos e na assembleia”.

Como cristãos, devemos ser os últimos a perdermos nosso senso de pessoa completa como Deus nos criou e não devemos deixar a tecnologia distorcer nossa visão da pessoa humana. Assim, mesmo  estando gratos por fornecermos o culto ao vivo em algumas situações excepcionais, não façamos da exceção a norma e não permitamos que a tecnologia dite nossa experiência espiritual na adoração.

Deixe-me concluir com algumas sugestões relacionadas ao assunto:

1) Quando você estiver viajando durante o Dia do Senhor, faça todo esforço possível para freqüentar uma igreja local ao invés de assistir ao culto de sua própria igreja pela internet. Todos os cristãos fazem parte da igreja universal tanto quanto fazem de sua igreja local e essas são boas oportunidades para que nós expressemos e experimentemos nossa participação cristã mais ampla. Deus usa conexões feitas nesses momentos para nos unir em seu trabalho. Mesmo que não haja uma igreja de sua preferência no local, você deve ir na que seria a melhor opção. Vivenciar uma “adoração ruim”, seja como for a forma como nós a definimos, ou uma “pregação diferente” nos acrescentará sabedoria e perspectiva. Seja qual for a experiência, devemos geralmente preferir adoração física na companhia de irmãos crentes do que uma experiência em vídeo com nossa própria igreja.

2) Se você disser para si mesmo “Eu vou só assistir o culto pela internet” ao invés de ir fisicamente à igreja, você estará traindo a si mesmo e, mais importante do que isso, aos seus companheiros crentes. Esse problema (que deve acontecer mais ainda no caso do culto noturno) deve ser evitado o máximo o possível.

3) Quando você estiver em uma conferencia ou grande evento em que transmissão por vídeo é usada para projetar a imagem do pregador, sente-se na frente onde você possa ver ao palestrante diretamente. Eu creio que onde há uma tela grande, meus olhos naturalmente se distanciarão da pessoa de verdade para a imagem do vídeo. Isso reduz o senso de um encontro real com um pregador real e nós devemos evitar isso.

Espero que esse conselho nos faça usar os dons de Deus com sabedoria e responsabilidade. Cristãos devem sempre vigiar acerca de consequências indesejadas e oportunidades para o diabo (Efésios 4.27).  A perda da igreja quanto à presença física do povo de Deus é terrível. Que não permitamos que a tecnologia nos transforme de discípulos em consumidores e de uma comunidade da igreja em uma mera fonte de provisão.

Tags: , , ,

Traduzido por Kimberly Anastacio | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.