Precisamos ser cuidadosos, mas também precisamos cuidar

por Michael McKinley

Mike McKinley
Michael McKinley

O ministério de misericórdia pode ser perigoso para a saúde da igreja. Por exemplo, seu apelo pode nos seduzir para longe de prioridades que são menos imediatamente recompensadoras. É difícil mensurar os efeitos da pregação, do aconselhamento e da orientação nas vidas das pessoas. Mas você pode contar o número de lanches que foi distribuído aos pobres e você pode saber exatamente o número de agasalhos que sua igreja distribuiu para as crianças necessitadas. Não somente isso, mas (geralmente) as pessoas ficam muito agradecidas pela ajuda que você lhes ofereceu; mas muito menos pessoas ficam extasiadamente gratas quando você prega o evangelho para elas. Acrescente o aplauso do mundo observador, que não acha mais nada no cristianismo que seja digno de se celebrar, e você terá um ministério que será popular dentro e fora de sua congregação. Por esse motivo, algumas vezes as igrejas encontram-se distraídas da proclamação do evangelho pelas demandas do ministério de misericórdia. É fácil permitir mais e mais que os recursos e esforços das igrejas vão em direção às ações do serviço prático e permitir que a proclamação do evangelho fique no meio caminho. Isso é perigoso para a vida da igreja, por isso estou feliz por aqueles que levantaram uma bandeira de advertência. Sou grato pela precisão e fidelidade que muitos têm mostrado ao chamar a igreja a permanecer fiel ao seu papel e missão principais. Mas também estou preocupado.

Quanto custa ajudar os necessitados

Veja, se sua igreja realmente quer ajudar os necessitados, isso terá um custo corporativo e individual. Nos Estados Unidos, as igrejas tendem a pensar o ministério de misericórdia como sendo uma assistência financeira às pessoas pobres. E, enquanto isso é frequentemente muito importante, é apenas uma parte de um quadro ainda maior. As próprias pessoas carentes tendem a definir suas necessidades menos em termos econômicos (“preciso de mais dinheiro”, “preciso de mais comida”) e mais em termos emocionais e sociais (“Me sinto invisível”, “Estou sem esperança”, “Me sinto inseguro sobre o futuro”). Portanto, uma igreja com um ministério de misericórdia vibrante tentará mostrar amor aos seus próximos direcionando para um espectro completo de suas necessidades: físicas, emocionais e espirituais. Em acréscimo ao compartilhamento do evangelho, isso pode significar ajudar as pessoas a encontrar comida, amizade, abrigo, aconselhamento, instrução e formação profissional ou clínicas de recuperação. Isso pode ser um desafio assustador. Francamente, é mais fácil não se envolver. E se você se envolver em ajudar as pessoas necessitadas, isso se tornará uma bagunça rapidamente. Para cada pessoa que genuinamente precisa de sua ajuda, parece haver duas que estão tentando tirar vantagem de você. Pessoas que estão experimentando necessidades significativas – quer o sofrimento seja causado por elas mesmas, quer sejam vítimas, ou quer seja uma combinação dos dois – geralmente há um complexo ecossistema de problemas e desafios. Os problemas geralmente parecem ser esmagadores; fazer a diferença para cada pessoa pode ser exaustivo. O fato de que há tantas pessoas necessitadas faz com que pareça que o ministério de misericórdia é um exercício de esvaziar o oceano com um dedal.

A tentação de esconder a desobediência por trás da nuance

Diante de tudo isso, e diante das piores tendências do meu próprio coração, eu sei o quanto é fácil esconder-se por trás da nuance teológica e do cuidado eclesiológico para desculpar nossa pecaminosa falta de cuidado e misericórdia. Nosso orgulho frequentemente nos encoraja a evitar amar nossos próximos. Portanto, precisamos estar atentos contra a tentação da desobediente negligência ao chamado de mostrar misericórdia, justificando nosso pecado com formulações teológicas. Honestamente, eu não tenho especificamente ninguém em mente conforme escrevo essas palavras. Eu simplesmente quero mostrar o perigo. Há uma razão por que Jesus contou tantas parábolas nos ensinando a ser amáveis e misericordiosos.

Avalie o seu coração, o seu povo e suas estruturas

Assim, se você é um pastor, analise a temperatura do seu coração. O evangelho tem dado frutos de compaixão e misericórdia em sua própria alma? Ou você se encontra arranjando desculpas para porque você não pode ser incomodado com as necessidades das pessoas fora da sua igreja? Depois, analise a temperatura da sua congregação. Há pessoas sob o seu cuidado constrangidas pelo evangelho a mostrar o amor de Cristo às pessoas que estão ao seu redor? Você vê evidência de que as pessoas na sua igreja estão mais preocupadas em ajudar os pobres e fracos do que a média de descrentes que o fazem? Finalmente, olhe honestamente para as estruturas da sua igreja. Há meios pelos quais você poderia encorajar seu povo a esse tipo de obediência? Há pressões sociais sutis que impedem os membros de sua igreja de ajudar os necessitados?

Amar os pobres é, e deveria ser, uma alegria

O fato é: amar os pobres e necessitados à nossa volta é uma fonte de alegria para o povo de Deus, mesmo que às vezes pareça um fardo. A mensagem do evangelho nos lembra de que Deus se move em nossa direção para prover nos momentos de necessidade. Quando os cristãos internalizam as boas novas, elas os impelem à bondade, ao perdão e compaixão para com os pobres e desamparados.  Portanto, admitindo todas as nuances e cuidados necessários, nossas igrejas devem, apesar disso, ser caracterizadas pela diligência e cuidado sincero para com aqueles que estão passando por necessidades.

Tags: , ,

Traduzido por Natália Moreira | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.