Seu chefe lhe deve o pagamento, não realização

por Ben Merkle

Ben Merkle
Ben Merkle

Ao ler sobre liderança, uma coisa que estou vendo mais claramente é a maneira como fazemos um desserviço aos homens quando não lhes damos previsões honestas e francas sobre seus trabalhos. Sem esse feedback, esses homens podem descobrir-se posicionados em trabalhos para os quais são inadequados e incapazes de obterem sucesso. É melhor oferecer essa dura previsão no início que preparar um homem para vinte anos de amargura e reclamações enquanto ele fracassa em progredir, sem qualquer pista do porquê (Provérbios 27.6).

Mas uma das conclusões correspondentes que muitos parecem tirar disso é que cada um de nós tem um emprego dos sonhos que, quando o descobrirmos e começarmos a trabalhar nele, os planetas se alinharão e todos os nossos sonhos mais loucos tornar-se-ão realidade. Isso é um mito, puro mito. O mundo é caído e o mundo das ocupações é caído. Há vezes em que Deus nos abençoa com um senso de profunda realização e satisfação em nosso trabalho. Graças a Deus quando isso acontece. Mas há momentos quando seu trabalho é tedioso e um fardo. Isso exige confissão de pecado, não necessariamente a busca por um novo emprego. O fato de que muitos de nós têm o tempo e o espaço para parar perto do bebedouro sonhando acordado com uma carreira que nos faça sentirmos mais realizados é o fruto de incontáveis gerações que trabalharam antes de nós para fundar nossa terra, suportaram uma existência miserável por séculos e, por gerações, têm economizado bastante capital para termos nossas crises angustiadas de meia-idade. Isso é ingratidão.

Pior, torna-se uma desculpa para começar a trabalhar mal. Você é chamado para trabalhar com o que estiver na sua frente. “Viste o homem diligente na sua obra? Perante reis será posto”. (Provérbios 22.29). A palavra hebraica para “diligente” refere-se especificamente a pressa. Viste o homem que apressa-se em seu trabalho? Viste o homem que troca seu pneu vazio com rapidez e espontaneidade? Ele se sairá bem na vida. Viste o homem que serve seu hambúrguer com um pouco de pressa e animação? Invista seu dinheiro nele. Viste o homem que fica perto do bebedouro, com dificuldades para ficar apaixonado pelo que o chefe lhe pediu para fazer? Mande-o para a rua. Sequer selecione-o para reciclagem.

Seu emprego dos sonhos é uma atitude obediente e contente diante de Deus. Você já leu a história de José? Você acha que ele tinha um bom motivo para sentir que não estava trabalhando no lugar certo durante aqueles anos como escravo e na prisão? E quanto a Jacó servindo Labão? Ou Paulo fazendo tendas? Eles poderiam ter defendido legitimamente que o tempo deles estava sendo desperdiçado? Talvez. Mas sua obediência não estava sendo desperdiçada.

Tags: , ,

Traduzido por Josaías Jr | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.