Um alerta para as mulheres

por Jennifer Smidt

Jen Smidt
Jen Smidt

Senhoras, qual é a atual condição de seu casamento?

Para todas as esposas, essa é uma questão difícil que deve ser feita regularmente. É muito fácil se deixar levar e entrar no modo de auto-proteção. Ou, ainda pior, descobrir que nossas decepções e desejos se tornaram demandas ressentidas e acreditar que merecemos receber mais do matrimônio e do marido.

Nossos corações instáveis facilmente se desviam do caminho conforme vamos nos exaltando acima de qualquer coisa. Em nossa relutância de se arrepender, viramos as costas para Deus e para o homem que amamos. Gostaríamos de pensar que somos humildes, mas não somos. Que Deus abra nossos olhos, convença-nos do nosso pecado e nos leve ao arrependimento.

Não vou nem começar a fingir que tenho uma mensagem que não me inclua como culpada. Apesar de não ter cometido adultério durante os meus 17 anos de casamento e não estar prestes a terminá-lo, eu não sou menos culpada em relação ao pecado que leva a este destino.

Nosso temor pelo Senhor é pequeno

“Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.” Provérbios 31.30

Com atenção, volte comigo para o começo da humanidade – o Jardim do Éden. Nossa primeira mãe foi criada pela costela de seu marido por um Pai amoroso e carinhoso que a colocou ali no meio do paraíso. Infelizmente, nós mulheres frequentemente não reconhecemos quando temos algo que é bom, mesmo se isso estiver nos cercando por todos os lados.

Eva se deparou com uma simples pergunta da cobra e a conclusão dela foi: “Deus está se recusando a me dar algo. Eu mereço mais do que isso. Meus olhos estão encantados (Gênesis 3.6). Acho que vou tomar essa questão em minhas mãos.”

Eva não teve temor ao Senhor. Naquele momento ela:

  • Não valorizou a provisão de Deus;
  • Não confiou na bondade de Deus;
  • Não acreditou nas promessas de Deus.

Ela temeu mais estar perdendo algo que ela acreditava que merecia do que temeu desobedecer a Deus. Nós somos mais parecidas com Eva do que temos coragem de admitir. Nós não valorizamos a provisão de Deus (Efésios 2) de graça (favor imerecido) e de misericórdia (perdão imerecido). Nós discordamos e decidimos que merecemos algo mais confortável e fácil do que as lutas que estamos enfrentando.

Confie nos planos dEle, não nos seus

Nós não confiamos em sua bondade (Salmo 27), mas, ao invés disso, inventamos nosso próprio plano para obtermos satisfação ou para escapar de algo, convencendo a nós mesmas de que o prazer momentâneo é melhor. Nós não acreditamos que suas notáveis e preciosas promessas (1 Pedro 1) se aplicam à nossa luta atual. Elas não parecem suficientemente rápidas ou tangíveis para eliminar nossa ansiedade e nossa exaustiva dor.

Minhas irmãs, nós estamos erradas. Nós devemos nos arrepender. Devemos ser mulheres que temem ao Senhor.

Sem o temor a Deus, não podemos descansar satisfeitas

“O temor do Senhor conduz à vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e mal nenhum o visitará.” Provérbios 19.23

A vida é encontrada à sombra da cruz. Ele deu tudo por nós e, de alguma maneira, nós ainda nos vemos inventando planos de contingência, nos afastando de onde encontra-se a liberdade e o perdão para buscar o que pensamos que se parece com a vida nos braços de um outro – seja um outro homem, bebida, dinheiro, ou outro salvador funcional.

Nos é dito que aquele que teme ao Senhor descansa satisfeito. Quando nos encontramos vagando nos braços de outro amante, é porque não tememos ao Senhor. Nós não tememos o Deus santo e justo que não tolera o pecado – nós apenas queremos o que queremos. Agora mesmo.

A satisfação vem pura e somente em saber que não há nada que se compare a viver nossa vida em submissão à Sua glória.

Nenhum mal

Como uma mulher que teme ao Senhor, você não sofrerá mal algum. Para uma mulher que verdadeiramente ama e teme ao Senhor, mal é singularmente definido por estar numa situação em que Deus não está perto. Nós nunca vamos nos encontrar nessa situação. Como suas filhas, nunca estaremos fora de Sua soberania, da justiça de Cristo ou do conforto do Espírito Santo.

Eu sei que muitas vezes parece que o mal vai nos atacar e acabar conosco. Nesses momentos, nós devemos lutar. Ironicamente, é nessas horas que o tranquilo e gentil espírito de uma mulher que agrada a Deus (1 Pedro 3) deve vir à tona.

Lutar pelas coisas certas 

Lutar deve parecer-se com proclamar, ativamente, o evangelho da Verdade para si mesma, combatendo seu coração enganoso e o inimigo que está determinado por vingança. Lutar deve se parecer com plena e total submissão, descansando no poder e provisão do Senhor que te sustenta. Mal algum – definido como a ausência de Deus – alcançará a mulher que teme ao Senhor.

Descansando em arrependimento

O arrependimento começa com uma adoração focada em Deus. Deixe para trás a auto-adoração e os lugares vazios onde você tem procurado vida. Se envolva nos braços de perdão e amor do seu Pai que deseja ser misericordioso com você. Ore por um casamento que é verdadeiramente baseado no evangelho. Isso começa com o reconhecimento de que o lugar mais assombroso para se estar é longe dEle e, o mais seguro, calmo e prazeroso é nas mãos do Pai.

Tags: , , , ,

Traduzido por Fernanda Vilela | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.