Você não precisa de uma igreja grande para ir para o céu

por Hans Fiene

Se você é um pai que tenta dar ao seu filho a melhor educação possível, eu me preocuparia com a qualidade dos professores e com a sua própria participação no desenvolvimento intelectual do seu pequenino antes de me preocupar com o tamanho da classe dele. Não estou dizendo que ter 19 crianças em uma sala não é melhor que 23, por exemplo. O que estou dizendo é que a razão aluno-por-professor não vai importar muito se o professor do seu filho acha que 4 mais 8 é igual a roxo ou quer que ele decore a ordem dos campeões da Fórmula 1 ao invés dos presidentes do Brasil.

Assim, se o pequeno Cauan (esse é um nome de homem comum hoje em dia, se você ainda não perdeu a fé na humanidade) está em uma turma meio cheia, mas tem um professor bom e todo o seu apoio, não deixe ninguém te convencer de que você está egoisticamente arriscando a educação do seu filho se você não mudar toda a rotina da família para levá-lo para uma escola um pouco menos congestionada.

De forma semelhante, se você é um pai cristão tentando dar ao seu filho a melhor formação espiritual possível, não deixe ninguém e convencer de que você está sendo egoísta por não fazer do tamanho da congregação sua prioridade número um. Em particular, não deixe Andy Stanley, pastor de uma megaigreja, te convencer de que você está arriscando a alma do seu filho se você não frequenta uma congregação muito grande.

Se você está com um pouco de dificuldade para entender a acusação feita por Stanley (da qual, para seu crédito, ele afirmou ter se arrependido), foi isso que ele quis dizer: amizade na igreja é o que mantém as pessoas na fé, e quanto mais crianças sua igreja tem, mais oportunidades seu filho vai ter para fazer amigos. Assim, se você é membro de um igreja que só tem crianças o suficiente para ter um único grupo de jovens e adolescentes, você está reduzindo o potencial de amizades do seus filhos e, assim, está colocando eles em risco.

Não importa, aparentemente, se a cristologia da megaigreja local é bagunçada o suficiente para te manter em uma igreja pequena ou se a congregação média da qual você faz parte foi onde você e seus filhos foram batizados e professaram sua fé. Para Andy Stanley, seria melhor se você amarrasse um pedregulho no pescoço e se jogasse no mar do que forçar seu filho de 17 anos a compartilhar um saco de Doritos no estudo bíblico jovem com um garoto de 13.

Pense no conteúdo, não na embalagem

Mas assim como o tamanho da classe não é um fator muito grande no desenvolvimento intelectual da criança como são os professores e pais envolvidos no processo, o tamanho da congregação não será um fator muito grande no cuidado espiritual como são os pastores e pais responsáveis pelo ensino do evangelho.

Se, por exemplo, seus filhos raramente se encontram com o pastor da sua igreja porque ele os exila para o culto “mais apropriado para a idade deles” durante o culto de Domingo de manhã, se ele não sabe o nome dos seus filhos, se o pastor, na verdade, nunca os pastoreia, então não vai importar muito quantas outras crianças estão pulando na classe das crianças enquanto o cara que Jesus enviou para alimentar suas pequenas ovelhas está ignorando-as.

Da mesma forma, se o seu pastor é atencioso com seus filhos, mas não proclama o evangelho genuíno para elas – se tudo que eles veem no púlpito é um bobo alegre ordenado dizendo que, puxa vida, tudo que Deus quer de nós é que abracemos nossos amigos e sejamos legais uns com os outros, não vai importar se eles não ouvirem nenhuma palavra do evangelho de Cristo com outras cinco ou cinco mil crianças da mesma idade.

Quando pastores e pais levam a igreja a sério

De forma similar, se você pensa que orar com seus filhos, ler a Bíblia para eles e falar para eles que Cristo conquistou a vida eterna para eles não é seu trabalho, mas um trabalho exclusivo da sua igreja, se você trata a igreja da forma com que muitos pais tratam a escola, então, quando seus filhos crescerem, eles provavelmente deixarão de ir à igreja pela mesma razão que deixaram de ir ao colégio – porque, para eles, eles já se formaram. E não importa quantos amigos na Escola Bíblia Dominical os seus filhos tem, porque nem o número perfeito de amigos pode “desensinar” o que você ensinou – que eles já não precisam mais ser alimentados pela pregação de Cristo.

Mas se seus filhos foram abençoados com um pastor que está ativamente envolvido nas vidas espirituais deles, um número menor que o ideal de colegas de cinco anos para fazer encher o coral infantil não vai arrancá-los das mãos de Cristo.

Por muitas gerações, pastores de congregações grandes, médias e pequenas tem mantido suas pequenas ovelhas na fé por meio de subirem ao púlpito toda semana e não saírem de lá enquanto não dizem a essas ovelhas que seus pecados e transgressões foram todos afogados no sangue de Cristo, para sempre. Eles tem feito isso quando chegam no hospital às três da madrugada com a Bíblia na mão enquanto o pequenino se prepara para uma cirurgia de emergência. Eles tem feito isso ao falarem apenas palavras de perdão depois que essas crianças confessam seus piores pecados para eles e nunca olhando essas mesmas crianças de forma diferente depois disso.

Certamente esse tipo de cuidado pastoral não pode ser oferecido por pastores de 36000 pessoas espalhadas por 6 campus, mas tem sido e continuará sendo oferecido por pastores fieis ao redor do mundo em igrejas de tamanhos não-mega.

Imunizando contra a descrença

Semelhantemente, se seus filhos crescem vendo o quão importante é o evangelho para vocês tanto na igreja quanto fora dela, o tamanho da congregação será irrelevante. Por exemplo, quando meu avô era jovem, ele contraiu poliomielite e nunca mais andou. Mas todo Domingo de manhã ele colocava sua família no carro para ir à igreja. Durante os terríveis invernos de Minnesota, suas muletas muitas vezes escorregavam na rua congelada. Mas inverno após inverno, ano após ano, ele continuava tirando a neve dos joelhos ralados e se levantava para levar seus filhos a Jesus.

Ao fazer isso, e ao ler a Bíblia para seus filhos todas as noites, orando com eles e ensinando-os a confiar em Cristo e em seu perdão, esse homem, que nunca foi imunizado contra a poliomielite imunizou seus filhos contra a descrença. Porque seus filhos viram que a fé importava para ele, importava para eles, o que significa que sua pequena igreja em uma pequena cidade no interior de Minnesota estava tão equipada para levá-los à salvação quanto qualquer congregação gigante de qualquer grande metrópole.

É claro, quando lidamos com as coisas que vão além da carne e dos nossos, nada nunca é garantido. Às vezes, crianças educadas pelos pais mais fiéis nas congregações mais fiéis irão se desviar, e, às vezes, o Espírito Santo cria fé nos corações daqueles que nunca viram seus pais abrirem uma Bíblia e cuja única exposição a uma igreja foi naquela Escola Bíblica de Férias conduzida por uma senhorinha que só sabia gritar com eles. Mas, em geral, se os seus pastores levam a igreja a sério e se seus pais levam a igreja a sério, as crianças tem muito mais chance de permanecerem cristãos quando forem adultas.

Assim, se você quer o que é melhor para as almas dos seus filhos, não se preocupe com o tamanho do grupo de jovens. Ao invés disso, encontre uma igreja com um pastor que sempre aponte seus filhos para Cristo e Sua salvação, focado em apontar seus filhos para o mesmo Salvador todos os dias, e durma em paz sabendo que você não precisa se preocupar com o resto.

Tags: , , ,

Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org | Original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.