Deus odeia o Haiti?

por Albert Mohler

por Albert Mohler

As imagens transmitidas do Haiti parecem cenas de Inferno de Dante. A escala de calamidade é sem precedentes. Em muitos sentidos, o Haiti quase deixou de existir.

O terremoto que mudará para sempre esta nação aconteceu quando placas subterrâneas moveram-se aproximadamente seis milhas abaixo da superfície da terra, ao longo de uma falha geológica que ameaça causar problemas há séculos. Mas ninguém viu um terremoto desta magnitude vindo. O tremor escala 7.0 chegou como um pesadelo, com a cidade de Porto Príncipe destruída, vilas inteiras entrando em colapso, corpos voando pelo ar e sendo esmagados sob montanhas de destroços. Orfanatos, igrejas, mercados, casas, e prédios governamentais, todos destruídos. O governo civil deixou virtualmente de funcionar. Sem energia, as comunicações foram cortadas e os esforços de resgate estão seriamente limitados. Corpos são empilhados, a esperança desaparece e a ajuda, embora a caminho, não chegará a tempo para muitas vítimas.

Mesmo enquanto os pés estão finalmente pisando o solo e os esforços de resgate chegam à ilha, as estimativas de vítimas preveem algo tão alto quanto 500 mil. Dados o terreno montanhoso e as vilas densamente populosas que se localizavam ao longo da falha, vilas inteiras podem ter desaparecido. A nação mais pobre do Hemisfério Ocidental experimenta uma catástrofe que parece quase apocalíptica.

Na verdade, não é difícil descrever o terremoto como um desastre de proporções bíblicas. Certamente, é como se a ira de Deus tivesse descido sobre a nação caribenha. Adicione a isso o fato do Haiti ser bem conhecido por sua história de sincretismo religioso – misturando elementos de várias crenças, incluindo práticas ocultas. A nação é conhecida pelo vodu, feitiçaria e uma tradição católica que foi imensamente influenciada pelo ocultismo.

Sede do governo destruída

Sede do governo destruída

A história do Haiti é um catálogo de desastres políticos, um após o outro. Em um relato da luta da nação por independência dos franceses, no século XVIII, é dito que representantes da nação fizeram um pacto com o Diabo para expulsar os colonizadores. De acordo com esse relato, os haitianos consideravam os franceses católicos, e queriam juntar forças com quem quer que se opusesse a eles. Assim, alguns usam essa tradição para explicar tudo que tem marcado a tragédia da história do Haiti – inclusive, agora, o terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Deus odeia o Haiti? Essa é a conclusão a que muitos chegam, que aponta o terremoto como um sinal do julgamento direto e observável de Deus.

Deus certamente julga as nações – todas elas – e Deus julgará as nações. Seu julgamento é perfeito e sua justiça é certa. Ele reina sobre todas as nações e sua vontade soberana é demonstrada na ascensão e queda de nações, impérios e pessoas. Toda molécula de matéria obedece a suas ordens, e os terremotos revelam seu domínio – assim como as ondas de socorro e assistência fluindo para o Haiti nesse instante.

Um cristão fiel não aceitaria a afirmação de que Deus é um espectador desses eventos mundiais. A Bíblia claramente afirma o governo soberano de Deus sobre toda sua criação, todo o tempo. Não temos o direito de afirmar que Deus foi surpreendido pelo terremoto no Haiti, ou aceitar que Deus não poderia tê-lo prevenido de acontecer.

O governo de Deus sobre a criação envolve tanto atos diretos quanto indiretos, mas esse governo é constante. O universo, mesmo depois das consequências da Queda, ainda demonstra o caráter de Deus em todas as suas dimensões, objetos e ocorrências. E mais, não temos o direito de afirmar que sabemos porque um desastre como o terremoto no Haiti aconteceu naquele exato local e momento.

A arrogância da presunção humana é real e um perigo presente. Podemos traçar os efeitos de um motorista bêbado até um acidente de carro, mas não podemos traçar os efeitos de vodu em um terremoto – pelo menos, não tão diretamente. Deus julgará o Haiti por sua escuridão espiritual? É claro. O julgamento de Deus é algo que podemos afirmar que entendemos nesse sentido – agora? Não, não nos foi dado esse conhecimento. O próprio Jesus avisou os discípulos sobre esse tipo de presunção.

Uma abertura para o Evangelho

Uma abertura para o Evangelho

Por que nenhum terremoto fez tremer a Alemanha nazista? Por que nenhum tsunami afundou os campos de extermínio do Camboja? Por que o furacão Katrina destruiu muito mais igrejas evangélicas que cassinos? Por que tantos ditadores assassinos vivem até a velhice, enquanto muitos missionários morrem jovens?

Deus odeia o Haiti? Deus odeia o pecado, e punirá tanto indivíduos quanto nações pecaminosos. Mas isso significa que cada indivíduo e cada nação serão declarados culpados quando medidos pelo padrão da perfeita justiça de Deus. Deus odeia o pecado, mas se Deus simplesmente odiasse o Haiti, não haveriam missionários lá; não haveriam fundos de ajuda para a nação; não haveriam esforços de resgate – não haveria esperança.

O terremoto no Haiti, como todo outro desastre terreno, nos lembra de que a Criação geme sob o peso do pecado e do julgamento de Deus. Isso é verdade para cada célula de nossos corpos, assim como para a crosta terrestre em cada ponto do globo. O universo inteiro espera a revelação da glória do Senhor vindouro. A Criação clama pela esperança da Nova Criação.

Em outras palavras, o terremoto nos lembra de que o Evangelho de Jesus Cristo é a única mensagem de esperança real. A cruz de Cristo declara que Jesus ama o Haiti – e o povo haitiano é objeto de seu amor. Cristo teria mostrado à nação haitiana seu amor, e compartilhado seu Evangelho. Em meio a essa tragédia inefável, Cristo nos teria animado a ajudar o povo sofredor do Haiti, e a correr para falar ao povo do Haiti sobre seu amor, sua cruz, e a salvação em seu nome somente.

Tudo sobre a tragédia no Haiti aponta para nossa necessidade de redenção. Essa tragédia pode levar a uma nova abertura ao Evangelho entre o povo haitiano. Isto será para a glória de Deus. Enquanto isso, o povo de Cristo deve fazer o que for possível para aliviar o sofrimento, tratar os feridos, e confortar os enlutados. Se o povo de Cristo é chamado para fazer isso, como podemos dizer que Deus odeia o Haiti?

Se você tem alguma dúvida sobre isso, pegue sua Bíblia e abra em João 3.16. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Essa é a mensagem de Deus para o Haiti.

Traduzido por Josaías Jr | iPródigo | Texto original aqui

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.