A hora da decisão

por Erik Thoennes

Por Erik Thoennes
Por Erik Thoennes

“Como eu posso saber se sou cristão se não lembro quando eu respondi pela primeira vez ao Evangelho?”

Minha pergunta favorita das que faço a cristãos é como eles vieram a crer em Cristo. As respostas que ouço testificam as diversas experiências que Deus usa para trazer pessoas a um relacionamento com ele. Normalmente, elas dizem que creram quando criança em um acampamento ou na Escola Bíblica ou enquanto oravam com os pais. De vez em quando, a resposta continua com algo assim: “mas minha fé realmente se tornou minha quando eu era um adolescente no colégio”.

Como entendemos essa variedade de experiências e o aparente processo em duas etapas que muitos parecem atravessar para chegar à fé salvífica?

O termo salvo é usado popularmente para se referir à regeneração e à justificação. Mas quando a Bíblia usa a palavra salvação em um sentido espiritual, ela descreve de maneira ampla a atividade de Deus em resgatar pessoas do pecado e restaurá-las a uma relação correta diante dele. Salvação na Bíblia, portanto, tem sentidos passado, presente e futuro. Um crente foi salvo da culpa do pecado (na justificação, por exemplo), está sendo salvo do poder do pecado (santificação), e será salvo do julgamento e da presença do pecado (glorificação).

Enquanto a experiência subjetiva de ser salvo pode parecer muito diferente de pessoa para pessoa, o estado objetivo de estar salvo é definitivo e absoluto. Da perspectiva de Deus, há um ponto definitivo no tempo em que aqueles que creram em Cristo passam da morte para a vida.

Quer alguém se lembre desse momento de renascimento espiritual ou não, é um milagre que dá início a um bom número de novas realidades. Através da obra do Espírito Santo na regeneração, a pessoa espiritualmente morta é feita viva em Cristo. Os trajes imundos da autojustificação são trocados pela perfeita justiça de Cristo. Ele ou ela pode parar de tentar ser justificado, descansando, ao invés disso, na obra consumada de Cristo. Como Paulo escreve: “agora já não há mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus”. O crente passou da morte para a vida, o que significa que ele agora pode ter confiança no dia do juízo.

maos
O momento da decisão?

Muito do protestantismo americano foi influenciado pelo reavivalismo, que coloca grande ênfase em “fazer uma decisão por Cristo” de uma maneira pública e definitiva. Esses “momentos de decisão” frequentemente tornam-se a evidência crucial de que alguém é salvo. Outras tradições protestantes, menos influenciadas pelo reavivalismo (incluindo algumas igrejas reformadas e luteranas), se satisfazem em deixar a experiência de conversão não muito visível, concentrando-se na identificação do crente com a igreja. Ambas as tradições têm benefícios, assim como problemas em potencial.

A perspectiva da Decisão corretamente enfatiza a necessidade de um comprometimento pessoal com Jesus Cristo e a ideia de que a regeneração tem lugar em um momento específico. A fraqueza potencial é que essa visão pode levar a um entendimento simplista e antropocêntrico do que é ser salvo, em que se depende exageradamente do ato específico de crer em Cristo como evidência principal da conversão. Como resultado, alguém pode duvidar que sua “decisão” foi real, levando a inúmeras idas à frente na hora do apelo (por via das dúvidas). Além disso, alguém pode depender somente de sua “ida à frente”, mesmo na ausência de fruto espiritual.

Por outro lado, as tradições reformadas valorizam a soberania de Deus e o papel da igreja no processo de salvação. Mas podem deixar a conversão tão vaga que a necessidade de fé pessoal em Cristo e de uma vida transformada é negligenciada.

Devemos estar atentos para as experiências variadas que Deus usa para chamar pessoas. Como C. H. Spurgeon disse: “O Espírito chama homens a Jesus de diversas maneiras. Alguns são trazidos tão gentilmente que eles dificilmente sabem quando aquilo começou, e outros são tão abruptamente tocados que sua conversão é percebida com esfuziante clareza”.

Para aqueles que questionam sua salvação, a melhor evidência não é a memória de ter levantado a mão ou feito uma oração. Nem é ter sido batizado. O verdadeiro teste da autêntica obra de Deus na vida de alguém é o crescimento no caráter de Cristo, o crescente amor por Deus e pelos outros, e o fruto do Espírito. Uma experiência de conversão memorável pode servir como uma importante referência à obra salvífica de Deus na vida de alguém. Mas a obra contínua do Espírito Santo em tornar a pessoa mais parecida com Jesus é o indicador mais claro de que alguém foi feito uma nova criação em Cristo.

Erik Thoennes é professor de teologia na Talbot School of Theology, Biola University.

Traduzido por Josaías Jr.

Tags: , ,

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.